Brasil, 22 de Julho de 2014

Mato Grosso

Tamanho da letra
botao diminuir fonte botao aumentar fonte

Mapa da Região: 
fggghg

O mundo das águas

Banhar-se em águas cristalinas, pescar em águas turvas. Ir por água abaixo e água acima nas curvas dessa que é a maior área alagada do mundo. Nessa imensidão, tuiuiús aos berros, jacarés deslizantes, tamanduás prontos paro abraço e muitos peixes fazem parte do reino animal que brota das águas do Pantanal.

Essa planície exuberante definiu a identidade e o modo de viver daquilo que um dia viria a ser o Mato Grosso. Chegaram espanhóis, portugueses, paulistas, mineiros, sulistas e nordestinos para povoar a região, que até 1979 formava um só estado junto com Mato Grosso do Sul. Todos, ao fincarem pé naquela terra, tiveram que se adaptar e aprender a ser pantaneiro. O índio, que já estava lá, sempre soube. 

Emily Sasson
Imagem da feira indígena de Campo Grande.
Caules de guariroba na Feira Indígena de Campo Grande.

Aprenderam e também trouxeram um pouco do que já tinham em suas terras natais. Fundaram cidades e criaram muitas fazendas de gado, que ainda convivem bem com o Pantanal. Essa combinação de fazenda e rios determinou o que pode se chamar de “comida pantaneira”.

E nesse cardápio de múltiplas heranças está o pintado a urucum de Corumbá, o caribéu de Campo Grande e a ventrecha de pacu de Cuiabá. Correm por fora algumas exclusividades, como a lingüiça de Maracaju, o sobá e uma certa berinjela com molho de romã. No universo das águas, essa é a famosa água na boca.

Das águas gerou-se o mundo. Da bolsa d’água nasce o homem. Das cheias e vazantes dos rios viverá para sempre o Pantanal - onde o único a se domesticar é o sabor.

Conheça um pouco mais sobre o Mato Grosso no link a seguir:

Cuiabá

 

 

Cadastre-se e receba nosso informativo

Compre já o livro Roteiros do Estado do Rio de Janeiro